segunda-feira, 9 de abril de 2012

Um diálogo com a minha leveza

Em oração firme, serena, respirando  paz. 



Desejei ser paciente comigo mesma e consegui respeitar todas as fases, lembro o quanto chorei todos aqueles dias cinzas. Porém, depois dos tropeços, alcancei o sorriso sereno e hoje vivo o novo coração.
Quem nunca quis atropelar as coisas? que reclamou do corte no dedo, da prova de amanhã, do coração partido por amor, do medo de envelhecer sem ter tantas coisas...
Em meio as descobertas importantes acertei o ritmo do meu passo, vivi do choro a chegada do riso certo,  até do próprio "atraso" necessário, do encontro com o que realmente sonhei.
Todo mundo conhece a história da borboleta, a que já foi lagarta, que tanta gente criticou mas depois de transformar-se, ficou linda e voou. E bem sei, a história não é só da lagarta...porque a vida exige todas as cores e nem todo mundo deseja, apenas, voar. 

Estava com saudades desse espaço, de vagar diálogos, da leveza que sinto por aqui. Feliz por não atropelar minhas fases, nem as cores. Feliz por absorver o que vale a pena!
Ouvindo Roberta Campos sem parar e pra vocês compartilho "Mundo Inteiro".
Espero que gostem!

6 comentários:

AlÂn sAymOn disse...

Saudades da leveza dos teus posts!!!!!!!!!!!!!

Beijo!

AlÂn sAymOn disse...

saudades da leveza dos teus posts!!!!!!!!!!!!

Thamyris disse...

Voltou blogadona! =D

Amei o post lindo concunha! Amo quando vc fala assim nessa leveza!! Bjãão!

e sigamos orando! ^^

Thamyris disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
João Atila disse...

Viva e ponto.
Sem mais
=D

Eve disse...

Adorei!
Este post me acalmou. Até parei de lamentar "a prova de amanhã"...
; *