terça-feira, 19 de abril de 2011

Rosana

                                                   ...esperando que você me leia
                                                  Sou pista vazia esperando aviões.
                                                                                                        Vander Lee


Rosana era uma menina que adorava aviões, desde cedo aprendeu a desenhar e criar os seus. Ela se dedicava como a uma obra prima e sempre que ia brincar algum coleguinha pedia o caprichoso aviãozinho de papel. Ela passava maior parte do tempo criando os aviões do que propriamente brincando com eles. E foi certo de que naquela comunidade a menina ficou conhecida como a melhor desenhista e criadora de aviaozinhos de papel, não havia menino que conseguisse superar tanto capricho.
Já mocinha despertou o desejo de ingressar na força militar, ela desejaria ser piloto da aeronáutica.  Quando toda ouriçada foi contar  aos pais,  donos de uma pequena mercearia local, sobre seu sonho eles se entreolharam preocupados e se espantaram com a "maluquice" da filha.

- Oxi Rosana mas que idéia mais doida é essa e quem é que vai querer casar com uma pilota? Perguntou a mãe com as mãos na cintura, enquanto o pai só olhava.
- Mas mainha quem foi que falou pra senhora que eu quero casar? Quero  mesmo é voar não sabe? Falou a menina com os olhos brilhantes como vagalumes que incandeiam no sertão.
- Deixe de coisa menina que já tá é na hora de você crescer e se não quer casar vai é estudar pra ser "dotôra" que filha minha tem que me dá é orgulho. Mas quem já viu, hunf! Ser pilota...

Dias seguiram e Rosana não tocou mais no assunto, já não sentia ânimo de criar ou de desenhar aviões, fora proibida de matutar esse assunto. Pouco tempo depois a menina foi enviada pelos pais a cidade grande, que a custo economizaram para pagar uma boa faculdade de medicina. Já estava decidido Rosana só voltaria a cidade depois de formada, as influências dali não lhe traziam boas idéias.
E como já era de se esperar depois de alguns anos Rosana voltou, agora mulher formada com seus vinte e seis anos. Voltara doutora para orgulho dos pais.

- Ave Maria e não é que a minha menina voltou. Correu a mãe ao encontro de Rosana
- Eita saudade danada filha. Falou a mãe enquanto chorava e soluçava ao mesmo tempo
A moça que era só riso também se emocionou ao ver a mãe, agora apresentando um pouco mais de rugas pelo rosto.
Não demorou muito o pai soube da notícia e foi ao encontro delas e antes de abraçar a filha caiu num pranto só, enxugando o rosto entre suor e lágrimas.
Já em casa os três partilharam da janta preparada especialmente para a filha. Macaxeira com charque e tomate, seu prato preferido.

Na cidade não se falava de outra coisa
- Vocês viram a filha dos Costa? Voltou da cidade e parece que é "dotôra", vai ser a médica do posto de saúde. Quem imaginava né? A menina só falava em avião. (E caíram na gargalhada)
- A Antônia foi é sabida, de enviar a filha pra cidade aqui ela ia era embuxar de um zé ninguém.
- Eita que vocês são é muito fofoqueiras, eu tô é feliz que agora a gente vai ter uma médica no posto e ainda sendo  Rosana, moça prendada igual ela não conheço.

Em pouco tempo a "poeira baixou" e a comunidade voltou ao seu ritmo. Rosana adaptada a sua profissão atendia todos com muito zelo.

Mas vocês podem perguntar e o sonho de voar?
Ela voava sim, as pessoas não sabiam exatamente porque a dotôra Rosana se demorava tanto com as crianças, ali ela se misturava com eles, criava seus aviões, ensinava as crianças a fazer os seus próprios com pequenos pedaços de papel. Não existia limite em uma simples consulta.
E como em um sonho ela refez o seu, se especializou em pediatria e rapidamente foi convidada a trabalhar em hospitais de grande porte próximo da sua comunidade. Rosana se dividia entre o amor pela sua terra e pelo prazer que era atender crianças vítimas das mais severas patologias. Ali enquanto eles voavam com Rosana não existia câncer, não existia HIV, não existia maus-tratos, não existia dor.
As vezes a gente abre mão passivamente dos nossos sonhos, mas quem foi que disse que a gente não pode sonhar outra vez?


Beijo grande pra vocês!

12 comentários:

Sandra disse...

Ai que lindoooooo... Quanta criatividade... Quanto orgulho dessa minha amiga linda!!!
Sempre com uma lição de vida para dar... Adorei!!!

"As vezes a gente abre mão passivamente dos nossos sonhos, mas quem foi que disse que a gente não pode sonhar outra vez?"

Sempre...

Sandra Holanda

Anônimo disse...

=) sou fã do q vc escreve...sonhar faz parte da vida...é o q nos tira da inersia...nos impulsa p frente...e se por acaso n conseguimos realizar nossos sonhos, nos adaptamos a eles...mas o importante é n deixa-los morrer.

AlÂn sAymOn disse...

Perfeito... fazia tempo que vc não escrevia, mas pelo visto, ou melhor, pelo escrito, valeu a espera, ficou lindo; reflete-me sobre adaptação, sobre fazer-se útil de acordo com nossos sonhos aliados as necessidades e sonhos de outros... MARAVILHOSO!!!!!!

carlos disse...

Meu primeiro vestibular foi para... Direito! ehehhehe
Nada a ver comigo.
Deu no que deu né...
Beijo.
Te amo tu mais do que o joguinho da "galinha".

Anônimo disse...

Ei, pessoal! Essa é minha amiga Rebeca Cristini! Tenho a honra de conhecê-la, mesmo que só um tiquinho e tenho orgulho de poder compartilhar de sua criatividade, sensibilidade e de poder adimirar, sempre que posso, sua forma de expressão sempre tão eloquente, que transborda de ternura e nos enche de esperanças, nos surpreende... Pois é, minha linda amiga, precisamos sonhar sempre! Só realiza, quem sonha. Deus te abençoe e te ilumine, sempre. Te adoro.

João Átila disse...

Que possamos sonhar e viver os sonhos...
A coisa mais gratificante não é apenas realizar um sonho, é fazer dele um instrumento para felicidade, nossa e alheia.
Que Deus te abençoe meu anjo.
Lindo post.
Adorei!

Leo disse...

A gente descobre que podemos modelar os sonhos, transformá-los, enfeita-los...mas o mais importante é que descobrimos que ele nunca morre.

Beijãao

Cristiny* disse...

Vocês me deixam boba...rs
Xeiro grande!
;)

Katiany Ferrer disse...

Que liiiindo Rebeka... É..., não há limites para nossos Sonhos!! E sonhando, modelamos, depois materializamos tudo que queríamos ser ou ter... Basta que apreciemos os verdadeiros valores da vida...
Que Deus seja sempre a Bússula de tua VIda!!
Te amo.

Marina Reis disse...

Precisava deixar meu recado, mas sinceramente nem quero que você aceite meu comentário.
Bom .. tô eu aqui procurando uma gravura para postagem da semana que vem do blog que participo o guaranacomcanudinho.blogspot.com Daí encontrei essa imagem (diz que eu posso copiar, posso?)rsrssr ..
..
quando li o nome Rosana (nome da minha mãe) não resisti e li todo o texto. Ainda bem que fiz isso.
Nem tenho palavras pra descrever o quanto achei linda a história. (fiquei emocionada - tá .. hoje tô sensível, mas caramba, que lindo)

Quero ler os posts anteriores.
Obrigada pelo presente.

Abraços Marina - Nina

Marina Reis disse...

Sem palavras.
Lindo texto.

Parabéns e muito obrigada pelo presente de poder ler esse lindo texto.

Cristiny* disse...

Ah flor...pode pegar a imagem sim rsrs A maioria eu pego de um site que gosto mto. Bjaoo e obrigada pelo carinho!
;)